TEM QUE FAZER ALGO DE EFETIVO PELO SEU PAÍS!

Folha de Assinaturas - PeqSER SOCIALMENTE RESPONSÁVEL NÃO É SÓ SE PREOCUPAR – TEM QUE FAZER ALGO DE EFETIVO PELO SEU PAÍS!

Nos últimos dez anos, sob o prisma de um ininterrupto conflito com o aparelho Político do país, em defesa de direitos sociais, democráticos e constitucionais, numa busca contínua por mais democracia e menos corrupção, temos visto a vida passar e percebido que o número de nós brasileiros indignados, mas efetivamente dispostos a exercer a cidadania para melhorar o País, ainda somos um pequeno grupo, uma minoria distante da massa necessária para forçar a reviravolta necessária e trazer uma melhora significativa no resultado do nosso contrato social com a política.

Do outro lado, vemos o estabelichment se fortalecendo dia a dia, apoiado por um sistema brutal de bestialização do povo brasileiro, processado através de concessões públicas de meios de comunicação em massa e vantagens financeiras concedidas a especialistas em camuflar a atenção das massas sobre os graves problemas nacionais, através do oferecimento de entretenimento gratuito com emoções fáceis e milagres rápidos, num cruel esquema psicológico indutor do consumo irresponsável e da doação involuntária de parcelas de rendimentos e salários, induzindo multidões à escravatura do crédito bancário e do débito religioso.

Parece que estão tratando de bois na fila do matadouro. Porem, por tratar-se de seres humanos, os processos científicos e psicológicos de indução e manipulação de opiniões são muito mais evoluídos. De qualquer forma, os fins guardam certa semelhança.
Contudo, não se pode esquecer que mais de 5 milhões de pessoas foram às ruas no início do Inverno de 2013 e, principalmente, que mais de três milhões dessas pessoas, segundo o IBOPE, estavam ali para manifestar sua indignação em protesto contra a corrupção no Brasil.

Mas essa sede de exercício da cidadania, essa vontade de mostrar a todos a força da soberania popular e exigir mudanças foi, mais uma vez, castrada pelo estabelichment numa ação orquestrada, envolvendo os Poderes da União, os Partidos, algumas Instituições e meios de comunicação em massa.
Não faltaram notícias de que no Congresso – acreditasse quem quisesse – deputados e senadores estavam tomando medidas sérias para moralização da atividade política e fim da corrupção.

Também não faltaram noticias quase diárias, nas principais redes de televisão, de que todas as manifestações setoriais que se seguiram àquelas do início do Inverno, acabaram em pancadaria motivada pela ação de vândalos e mascarados, menosprezando todas as reivindicações justas que vários grupos de pressão apresentaram nas ruas, desde então.

Da mesma forma, a notícia da prisão de um deputado bode expiatório foi incessantemente divulgada como maior avanço da Justiça. Mas essa cortina logo caiu e o deputado preso não foi cassado e ainda continuou deputado.

A verdade que vem à tona, novamente, é que nada mudou no sistema. As regras que permitem e estimulam a corrupção e promovem a impunidade, ainda estão por aqui, ativas e operantes e não será a prisão de meia dúzia de gatos pingados que vai inibir os esquemas de corrupção espalhados pelo País, como não é a prisão de alguns traficantes que inibe o consumo de drogas.

E nós, estes poucos cidadãos e cidadãs responsáveis dispostos a nos mobilizarmos com todas, e por todas aquelas multidões de pessoas indignadas dos quatro cantos do País, ainda não conseguimos gerar a força necessária e suficiente para impingir as reformas necessárias.

Assistindo ao colapso das Instituições, praticamente impotentes, já não vemos mais quem acredite que o Congresso Nacional e as forças ali dominantes possam tomar uma atitude concreta para erradicar a bandalheira do favoritismo e da corrupção que se instalou em nosso País, enquanto vemos crescer nas pessoas a suspeita de que existem verdadeiras máfias dentro de prefeituras, câmaras, assembleias e até tribunais em todo o País.

Talvez, como resultado de tudo isto que estamos vendo acontecer, está cada vez mais difícil encontrar quem acredite que a Justiça é, ou será capaz de corrigir tantas injustiças já denunciadas e comprovadas e todo mundo tem a certeza de que nem toda a força policial é suficiente para garantir a integridade física de ninguém, de forma que a liberdade de expressão, o direito de ir e vir e outros direitos fundamentais foram relativizados no Brasil e, com isso, o Estado de Direito aqui, foi fracionado.

Juntando todos esses fatores, não há como não concluir que estamos caminhando céleres para o caos da ruptura da harmonia política social com consequências nefastas à nossa economia. Parece certo que a partir de agora os conflitos nessas áreas tendem a se agravar em intensidade e quantidade. Notadamente em função de interesses inconfessáveis dos grupos interessados nas eleições presidencial e congressual que se aproximam.

Por isso a adoção do EPOCC, na integra, é a única saída que vemos para a manutenção da paz social concomitantemente a uma tentativa séria e bem elaborada de resgate paulatino da moralidade nas Instituições democráticas e republicanas, remindo a “confiabilidade” nas pessoas que executam os serviços que essas Instituições devem prestar à sociedade.

A partir de agora as pessoas de bem devem se unir para exercer a soberania popular do artigo 14 da nossa Constituição e, na base do grito, impor ao Congresso Nacional a votação aberta do Projeto de Lei de Iniciativa Popular do Estatuto Popular Contra Corrupção PLIP-EPOCC, sem nenhuma emenda, nem adulteração.

Por acreditar piamente que esse é o caminho que nos resta, vamos estar no MASP, na Avenida Paulista em São Paulo neste 07/Set, colhendo assinaturas para o EPOCC e vamos dar o maior apoio moral para todo cidadão e cidadã que fizer o mesmo em sua cidade, no seu bairro, na sua Rua ou em qualquer manifestação cívica, seja em um protesto ou em um desfile. O importante é participar de alguma forma dessa mobilização pacífica e motivar mais e mais adesões ao Projeto de Lei.

Quem quiser dar uma força ou só passar para assinar o EPOCC, será bem vindo. Lembre-se de trazer o Título de Eleitor ou trazer a Folha de Assinaturas já preenchida com um ou mais nomes, a partir das 14;00 horas do próximo sábado, no vão do MASP em São Paulo ou em Salvador, Manaus, Rio de Janeiro, Florianópolis e nas mais de 50 cidades onde pessoas já se dispuseram a colher assinaturas para o EPOCC no 07/Set. Faça o mesmo, saia na rua para colher assinaturas ou leve Folhas de Assinaturas preenchidas aos pontos de coleta. Procure pontos com faixas ou cartazes do EPOCC ou faça seu próprio ponto de coleta de assinaturas e as envie pelo Correio.

Juntos podemos mais.

Para imprimir a Folha de Assinaturas, cartaz do EPOCC ou mais informações visite o site:

www.epocc.org.br

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Blog do Cidadão Independente | Com a tag , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *