ACM Neto quer ressuscitar CPI da corrupção???

ACM Neto acredita que CPI da Corrupção pode ser mais ampla / Renato Araujo/ABr

Se as intenções desse menino fossem sérias de verdade ele deveria começar investigando de onde veio a fortuna que ele herdou do seu avô, o tal do Toninho malvadeza que era, para quem não se lembra, tido como um dos maiores corruptos da história do Brasil.

 

O deputado federal ACM Neto (DEM-BA) está otimista com a retomada da chamada CPI da Corrupção. A oposição tentou este ano criar uma comissão mista, mas não conseguiu o número de assinaturas suficientes para a sua criação.
“O governo deu mostras de que não quer investigação”, afirmou ACM Neto. “Mesmo assim vamos continuar tentando criar a comissão no ano que vem. Faltam poucas assinaturas no Senado”, completou.

Privataria

Em dezembro, o deputado Protógenes Queiroz anunciou a intenção de criar a CPI da Privataria, para investigar as denúncias contidas no livro “A Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Jr. O parlamentar encaminhou o pedido de criação da comissão na quarta-feira ao presidente da Câmara, Marco Maia.

O pedido foi apresentado com 197 assinaturas, mas após a conferência pela Secretaria-Geral da Mesa Diretora da Câmara foram consideradas válidas 185 delas. São necessárias no mínimo 171 assinaturas de deputados para a criação de uma CPI.

Até mesmo alguns deputados da oposição assinaram o pedido para criar a CPI da Privataria, inclusive integrantes do DEM, como Onyx Lorenzoni.

Para ACM Neto, o ideal seria englobar as privatizações em uma comissão mais ampla. “Poderíamos até mesmo englobar estas investigações na CPI da Corrupção. Ela já está pronta para ser retomada”, afirma. “Há muitas outros assuntos para ser tratados, como as irregularidades na Caixa Econômica Federal e no Banco Panamericano”, afirma.

 

Fonte: Band News – http://www.band.com.br/noticias/brasil/noticia/?id=100000476250

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Notícias | Com a tag , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *