DEM recolhe assinaturas para instalar CPI mista da corrupção

O DEM já está recolhendo assinaturas para instalar uma comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI), com a participação de deputados e senadores, para investigar as recentes denúncias de corrupção no governo.

Segundo o líder do Democratas, Antônio Carlos Magalhães Neto (BA), todos os parlamentares serão convidados a assinar o pedido de CPI, inclusive os filiados aos partidos da base governista.

ACM Neto destaca que a CPI não vai focar um determinado ministério, mas todas as supostas irregularidades. “Vamos recolher todas as denúncias ocorridas nos últimos dias e reunir em uma única CPI. Ela tem fato concreto, tem objeto determinado, como manda a Constituição Federal, e nós vamos apurar, investigar todos esses pontos. Já não é mais de um ministério, de um partido político, é do governo. Por isso é que a CPI vai procurar dar respostas a todas essas denúncias que aconteceram.”

Ressalvas
O presidente da Câmara, Marco Maia, vê com ressalvas a instalação de uma CPI neste momento. “Os órgãos públicos estão trabalhando, estão atuando, estão construindo investigações que são importantes para o País. Não acho que uma CPI neste momento possa ajudar ou contribuir para a solução desses problemas.”

O líder do governo, Cândido Vaccarezza (PT-SP), criticou o comportamento da oposição, que não compareceu ao depoimento do ministro das Cidades, Mário Negromonte, prestado na quarta-feira de audiência da Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara.

Vaccarezza sinalizou que não acredita na instalação da CPI. “Eu estou ouvindo falar de CPI desde quando começou esta legislatura.”

Para ser instalada, a CPI mista precisa do apoio de 171 deputados e 27 senadores. Para acompanhar andamento do recolhimento das assinaturas é só acessar a página cpidacorrupcao.blogspot.com.

Reportagem – Idhelene Macedo
Edição Regina Céli Assumpção

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Notícias | Com a tag , , , , , , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *