Dilma Rousseff e seu estranho raciocínio

Declarou a presidente Dilma Rousseff: “Meu maior objetivo é desenvolver o país e distribuir renda. O resto, faço por ossos do ofício”.

Os “ossos do ofício” a que se referiu a Presidente da República, é combater a corrupção.

Leitor, não há como desenvolver o país e distribuir renda sem estancar a oceânica roubalheira dos cofres públicos.

Aliás, se Dilma Rousseff conseguisse fazer isso – impedir o assalto ininterrupto ao erário – sobraria dinheiro para as necessidades urgentes do país.

Todo santo dia, ficamos sabendo de milhões e milhões de reais que são roubados na administração pública.

Não há punição, muito menos a recuperação o que foi roubado.

Nem o bacana pode sequer ter algemas nos pulsos porque é um deus-nos-acuda.

Outros “osso do ofício”, no enviesado raciocínio da petista, deve ser acabar com o desperdício de recursos.

Chega-se ao ponto de haver discrepâncias enormes nos preços de produtos comprados pelo mesmo governo, dependendo do ministério, por exemplo.

E por aí vai.

Agora, com uma presidente que acha que sua função é levar o país ao desenvolvimento, tendo como a parte ruim da administração combater o roubo, nem precisaria dizer: esta nação está longe do rumo certo.

O roubo, o desperdício, o empreguismo etc. são os principais fatores para a dívida interna na casa do trilhão de reais.

Gastar muito mais do que arrecada é o maior pecado de qualquer país. É por aí que o Brasil naufraga.

Só que não tenho de escrever isso como ossos do ofício. O ruim da profissão é ter de dar ar de seriedade a declarações como essa da presidente Dilma Rousseff.

Fonte: SRZD

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Notícias | Com a tag , , , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *