Ex-prefeito no ES é denunciado por corrupção a testemunhas

Ex-prefeito de Jaguaré foi denunciado pelo Ministério Público Federal.
MPF diz que ele subornou testemunhas de processo de cassação.

O ex-prefeito do município de Jaguaré, região Norte do Espírito Santo, Domingos Sávio Pinto Martins, foi denunciado à Justiça pelo Ministério Público Federal (MPF-ES) por suspeita de corrupção ativa a testemunhas. De acordo com o MPF-ES, em 2009, ele e mais três membros da prefeitura da cidade ofereciam cargos públicos e dinheiro para que testemunhas fizessem afirmações falsas à Justiça, no intuito de prejudicar um processo de cassação do então prefeito de Jaguaré. Domingos negou o envolvimento no esquema.

O MPF-ES denunciou, além do ex -prefeito Domingos Sávio Pinto Martins, o ex-secretário municipal de Transportes de Jaguaré, um advogado e um motorista. De acordo com as denúncias do MPF-ES, os fatos aconteceram em março de 2009, quando o então prefeito enfrentava um processo de compra de votos.

Segundo uma das três testemunhas envolvidas no esquema, o advogado do ex- prefeito entregou uma quantia de R$ 200 e uma oferta de uma casa e um empego para quem prestasse informações falsas no depoimento que determinria ou não a cassação do então prefeito.

A testemunha ainda acrescentou que além das promessas feitas pele advogador, o ex-secretário municipal de Transportes também prometeu valores em dinheiro e um bom emprego caso fizesse afirmações falsas em juízo. Os valores recebidos chegavam a R$ 1 mil.

As testemunhas alegam que os suspeitos chegaram a cumprir as promessas, sendo nomeadas como servidores da prefeitura. Duas delas para a Secretaria de Educação de Jaguaré, em 2010; e a outra em 2011 para a Secretaria Municipal de Trasportes.

Em razão das declarações falsas, o MPF-ES ofereceu denúncia contra as três testemunhas, que foi recebida pela Justiça em 2012. Diante das demais apurações feitas, a Procuradoria quer a condenação dos envolvidos por corrupção ativa de testemunhas.

De acordo com o ex-prefeito denunciado, Domingos Sávio Pinto Martins, em momento algum ele influenciou pessoas a testemunharem contra o processo de cassação do adversário, e que as acusações não têm validade.

“Eu não influenciei ninguém, apenas selecionei três pessoas para falarem o que sabiam sobre o processo de cassação. Elas apenas assumiram que assinaram os recibos. As provas que fizeram o prefeito ser cassado não foram os depoimentos, mas sim, os documentos que comprovam que 1.965 eleitores foram comprados na véspera da eleição”, disse.

Quanto ao envolvimento dos outros denunciados pelo MPF-ES, Domingos acredita que também não fizeram parte do esquema de corrupção. Ele também afirmou que esta denúncia servirá para reabrir o processo de compra de votos e que sua inocência será comprovada.

Fonte: Globo

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Notícias | Com a tag , , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *