Qual é o maior escândalo de corrupção?

Na verdade, os recursos protelatórios do mensalão proporcionam aos condenados a possibilidade de adiamento das sentenças e ainda evitar a prisão dos corruptos. Nesse ínterim, cada vez mais os embargos de declaração, as omissões, as contradições, e a incerteza sobre o resultado do julgamento seriam por certo um novo obstáculo para a sentença final dos criminosos. Por tais fatos é que os advogados estão pedindo um novo julgamento, com o propósito de absolvição para os réus condenados. É por isso que os embargos infringentes são a última esperança para os culpados escaparem da cadeia. Não obstante, os sentenciados estão deveras animados com a entrada do ministro Luís Roberto Barroso, tendo em vista um discurso pontuado mais pelo tom político. Recentemente, o novo ministro Luís Roberto Barroso invocou teses simpáticas aos partidários do PT. Certamente, é muito censurável sob o ponto de vista do julgamento, por se tratar de um magistrado quando, ao fazer avaliação de criminosos, não poderia se colocar em defender os transgressores e que têm cadeira no Senado.

Oh, Deus, até quando o povo poderá resistir contra esses indivíduos que se acobertam em leis falsas? Porém, o extraordinário ministro Joaquim Barbosa não deixou de acusar Ricardo Lewandowski de fazer “chicanas” para atrasar o julgamento. Baseado nas investigações e na ação do ministro Ricardo Lewandowski, paira a suspeita do sumiço de documentos que comprovariam o comprometimento do juiz por esconder os documentos que envolvem os criminosos do mensalão. Afinal, nesse ambiente onde deveria reinar a justiça e o direito dos cidadãos, paira a pergunta: até quando irá terminar tamanha sujeira debaixo desta imensa escuridão que tolhe a cegueira de tantos políticos envolvidos no crime de corrupção?

Fonte: UOL

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Notícias | Com a tag , , , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *