Senado recebe de braços abertos o ex Ministro suspeito de ser o maior ladrão.

Nascimento reassume mandato de senador

Folha OL – GABRIELA GUERREIRO

O ex-ministro Alfredo Nascimento (Transportes) reassumiu seu mandato como senador nesta quinta-feira (7). O retorno foi automático, depois de deixar o cargo no Executivo, sem a necessidade do ex-ministro comparecer à Casa para reassumir sua cadeira.

Segundo a Secretaria-Geral da Mesa do Senado, a posse só é necessária na primeira vez em que um senador chega à Casa. Como Nascimento assumiu o mandato em 2007, o retorno ao Senado é automático ao se desligar do cargo para o qual havia se licenciado.

Entenda o caso envolvendo o Ministério dos Transportes
Ex-ministro deve ajudar a escolher sucessor nos Transportes, diz Ideli
Mesmo após escândalo, Dilma deve manter ministério com PR
Para jornal argentino, Dilma enfrenta ‘herança maldita’ de Lula
Sobrinho de deputado do PR exigia propina em contrato do Dnit

A expectativa é que Nascimento só retorne de fato ao Congresso depois do recesso parlamentar do Legislativo, que começa na próxima quinta-feira (14). A estratégia seria esperar a onda de denúncias contra o PR perderem força para que Nascimento reassuma suas atividades sem estar no foco da crise.

O senador tem mais três anos e meio de mandato no Senado. Com o seu retorno, o petista João Pedro (AM) deixou a vaga que ocupava como suplente do ex-ministro.

SUSPEITAS

Nascimento não resistiu às acusações de superfaturamento de obras e recebimento de propina envolvendo servidores e órgãos ligados à pasta e pediu demissão do cargo nesta quarta-feira. A crise se intensificou com a acusação de que seu filho, Gustavo Morais Pereira, teria aumentado seu patrimônio de forma ilícita.

O Ministério dos Transportes divulgou ontem uma nota afirmando que Nascimento encaminhou à presidente Dilma seu pedido de demissão “em caráter irrevogável”, e que deixa autorizada a quebra de seus sigilos bancário e fiscal.

As suspeitas de corrupção no Ministério dos Transportes começaram após reportagem da revista “Veja” afirmando haver participação da cúpula do ministério em irregularidades. O caso ganhou repercussão e a presidente Dilma pediu que o CGU (Controladoria-Geral da União) investigasse as acusações.

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Notícias | Com a tag , , , , , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *