Subversão de valores fragiliza as instituições públicas.

Inquérito conclui que Juan foi morto por policiais militares no Rio

Segundo investigação, não houve troca de tiros com criminosos; agentes tiveram prisão pedida

RIO – A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense concluiu o inquérito do caso Juan de Moraes e definiu que o estudante de 11 anos foi executado em uma ação policial na Favela Danon, em Nova Iguaçu, onde não houve troca de tiros entre policiais e criminosos.

Veja também:
link ONG faz protesto para lembrar primeiro mês da morte 
link Nova testemunha diz ter visto PMs matarem garoto

No início do mês o diretor de Polícia Técnica e Científica da Polícia Civil, Sérgio Henriques, revelou, após realizar a perícia, que não foram encontrados indícios de disparos por parte de criminosos. Segundo ele, apenas cinco cápsulas deflagradas do mesmo calibre usado pela PM do Rio foram encontradas no local dos crimes.

Além de Juan, o suposto traficante Igor de Souza Afonso, de 17 anos, também morreu durante a incursão policial. Foram feridos o irmão de Juan, Wesley de Moraes, de 14, e o vendedor W., de 19. Os sobreviventes foram incluídos em programas federais de proteção a testemunhas.

No noite de ontem, o Ministério Público do Rio pediu as prisões temporárias dos cabos PMs Edilberto Barros do Nascimento e Rubens da Silva, e os sargentos Isaías Souza do Carmo e Ubirani Soares. Eles são acusados por dois homicídios duplamente qualificados (pelas mortes do menino Juan e de Igor de Souza Afonso), duas tentativas de homicídio duplamente qualificado (W., o irmão de Juan, e a testemunha W.) e ocultação de cadáver (de Juan).

Artigos Relacionados:

Publicado na categoria: Notícias | Com a tag , , , , | Faça seu Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue a operação abaixo: *